Login to your account

Username
Password
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name
Username
Password
Verify password
Email
Verify email

Artigos

 

Parábolas: Pequenas Histórias, Grandes Verdades

              

2) "Os Dois Robozinhos" - A prática do Reino - Mateus 7:24-29

Parábola(s): As duas casas

Objetivo: Mostrar a necessidade de construirmos nossos valores e carater nas verdades cristãs. O que implicará em atitudes cristãs como resultado esperado.

Resposta à parábola: Tenho aplicado as verdades bíblicas no meu agir diário?

 

  • Recontando a parábola

Os dois robôs

Dois robôs foram criados com o propósito de servirem nos afazeres domésticos de uma moderna mansão.

Seu criador dotou os dois com um algoritmo, um programa de inteligência artificial, de modo que eles eram capazes de aprender qualquer tarefa que lhes fosse ensinada.

Um deles desenvolveu habilidades para tarefas práticas e exatas como deixar a cama arrumada com os lençóis milimetricamente centralizados ou centralizar o vaso de flores exatamente no meio da mesa. Bastava ver algum quadro na parede um pouquinho fora do lugar que já arrumava. Por isso foi apelidado pelo criador de RP1 Robô Perfeccionista 1.

O outro desenvolveu um gosto contemplativo pelas belezas naturais... Durante o treinamento sempre se pegava olhando para as flores, para as borboletas coloridas... Para o formato que algumas nuvens tinham.. Apreciava o cantar dos passarinhos e as belezas da natureza. Por isso foi apelidado pelo criador de RC2 - Robô Contemplativo 2.

Ele iniciaram seu treinamento na mansão e os dois aprendiam as mesmas tarefas juntos.

Em uma dessas aulas eles aprenderam a cuidar do jardim: como limpar as folhas mortas, tirar os Matinhos, podar os arbustos e regar as flores. Foi a aula que RC2 - o robozinho contemplativo - mais gostou... Ficou o tempo todo vendo borboletas e joaninhas voando aqui e acolá... Reparou que o céu estava bem azulado e o sol radiante! Foi nessa aula que os dois robôs aprenderam uma importante lição: eles teriam que tomar todo o cuidado para não se molhar, pois como eram feitos de aço, suas engrenagens iriam enferrujar. Teriam que tomar muito cuidado ao trabalhar com a mangueira de água, com os regadores e principalmente, teriam que ficar atentos para que, ao primeiro sinal de chuva, correrem para um local protegido da água.

Terminado o treinamento os dois robozinhos começaram a desempenhar suas tarefas na casa. Faziam de tudo: varriam, recolhiam as roupas sujas, arrumavam as camas, tiravam o pó dos móveis, tudo menos tarefas em que poderiam se molhar.

Um certo dia os robôs estavam cuidando do jardim, quando uma grande chuva começou a se formar no céu.

RP1 - o robozinho perfeccionista - lembrou da lição aprendida na aula de jardinagem e procurou logo um abrigo seguro da chuva, onde poderia manter-se seco e à salvo.

RC2 - o robozinho contemplativo - não se lembrou da lição, pois naquela aula tinha passado o tempo todo admirando as flores e borboletas coloridas. Como um bom robô havia registrado todas as informações em sua memória eletrônica, porém não tinha assimilado o importante lição de que a chuva era perigosa e poderia causar sérios danos ao seu funcionamento.

Ele continuou ali no jardim, cuidando das flores e plantinhas... A chuva começou a cair, no começo apenas umas poucas gotas mas em pouco tempo, se transformou em uma tempestade torrencial... Aos poucos, RC2 foi perdendo os movimentos até travar completamente. Após a chuva, o sol voltou a brilhar, o céu abriu azul, passarinhos voltaram a cantar...

RP1, o robozinho perfeccionista, ao ver que a chuva tinha passado, saiu do seu abrigo e foi ver o que tinha acontecido com seu amigo RC2. Encontrou-o no jardim, um pedaço inerte e sem vida de ferro enferrujado, em meio às flores, borboletas e joaninhas...

O que você acha que esta parábola significa? Com qual robô você se identifica?

 

  • Audiência

A quem a parábola foi originalmente contada?

Multidão e discípulos que acompanham Jesus quando ele proclamou o Sermão do Monte

  • Contexto

Quais textos (antes e depois) se relacionam com a parábola?

Com essa parábola Jesus encerra o Sermão do Monte. Um sermão que Jesus ensina coisas práticas sobre a vida cristã e fala sobre o Juízo daqueles que o rejeitarem.

É como se ele estivesse dizendo: vocês ouviram minha mensagem, se obedecerem e praticarem esses ensinos vocês são sábios e serão salvos; mas se rejeitarem meus ensinos ou não mudarem de vida, vão se dar mal no final...

O Juízo está tão presente na mensagem de Jesus quanto a Graça. Não haveria necessidade de salvação se não houvesse o risco da condenação.

  • Pontos de Referência

Com o que (ou com quem) a audiência original iria de identificar?

Obviamente essa parábola quase que força o ouvinte a se identificar com o construtor sábio. Afinal ninguém quer ser comparado a um tolo, mas a condição para ser "sábio" aqui é não somente ouvir e aceitar, mas praticar a palavra.

  • Aplicação / Tema - BigIdea

Mostrar a necessidade de construirmos nossos valores e carater nas verdades cristãs. O que implicará em atitudes cristãs como resultado esperado. Na parábola do Semeador o chamado é para um "ouvir" atento e receptivo que como consequência, ira gerar bons resultados. Aqui o chamado é para um "ouvir" que leva à "prática" obediente daquilo que Jesus espera de nós como cristãos.

Quem é sábio? A diferença entre inteligência e sabedoria - a história do médico que fumava.

Certa vez meu ex-pastor foi com o filho de 5 anos visitar a esposa que tinha tido bebê naquele dia. O médico pediatra passou para ver como estavam mãe e o bebê, e aproveitou para conversar com o pai e o outro filho.

Todo simpático examinou o bebê, dizendo que era um garotão saudável e iria crescer forte como o irmão.

Depois que o médico saiu, o filho disse:

— Pai, ele é um médico bem inteligente né?

— Sim filho. Os médicos estudam muitos anos antes de começar a trabalhar. São pessoas muito inteligentes.

Terminada a visita, o pastor e o filho e 5 anos foram embora, pois a mãe e o bebê só teriam alta no dia seguinte.

No estacionamento do hospital, o garoto viu o médico pediatra que conhecera a pouco, sentado em um banco embaixo de uma árvore fundando um cigarro. Ele tinha feito uma "pausa" para fumar.

Então, intrigado, perguntou ao pai:

— Pai, aquele homem fumando ali não é o Médico que cuidou da mamãe e do meu irmãozinho?

— Sim, é ele mesmo, filho.

— Mas pai, a professora da escola ensinou que fumar faz mal à saúde.

— Sim, meu filho, sua professora está certa, fumar faz mal à saúde.

— Mas se ele é médico, então porque está fumando?

O pai por um momento pensou como responder aquela pergunta tão óbvia e ao mesmo tempo tão contraditória.

— Filho - respondeu - apesar dele é médico e muito inteligente, ele não é sábio.

A diferença entre a inteligência intelectual e a sabedoria é a aplicação que fazemos do aprendizado que adquirimos.

Outra verdade sobre a sabedoria é nem sempre a medida que temos de nossa propria sabedoria, nem sempre corresponde à realidade.

Provérbios: 26. 12. Vês um homem que é sábio a seus próprios olhos? Maior esperança há para o tolo do que para ele. - Bíblia JFA Offline

A piada do português que economizou a passagem do ônibus.

Outro exemplo é a história do português que para economizar a passagem do ônibus, ao invés de pegar o ônibus resolveu ir correndo atrás dele.

Chegou em casa morto de cansaço.

— Ô Manuel, o que aconteceu contigo que estais quase a botaire os bofes pra fora.

— Ô Maria! Veja como este teu marido cá é muito sábio! Acabei de econonizaire 3 reais e 50 centavos!

— Ora pois! E como é que meu sábio marido conseguiu economizar essa 'fortuna'?

— Simples, Maria. Ao invés de pegaire o ônibus eu vim correndo atrás dele até chegaire aqui!

— Que façanha, hein Manoel!!! Mas tu és mesmo muito burro Manoel!

Devias ter corrido atrás de um táxi. Terias economizado muito mais!

 

1         Ouvir sem praticar é comodismo

A palavra hebraica  utilizada para "ouvir" também é geralmente traduzida como "obedecer"

Aquele que sabe fazer o bem o não o faz comete pecado. Tiago 4:17 FÉ SEM OBRAS É MORTA.

Em nenhum lugar da palavra eu encontrei o chamado para sentar sem agir.

"Eu vos escolhi para que vades e sentes tua bunda na cadeira e ali permaneça eternamente"

Vai permanecer mesmo... Jesus vai voltar pra levar a igreja e vc vai permanecer sentado aí na cadeira! Abre o olho irmão!

Ilude-se quem acredita que a salvação pela graça nos traz isenção da responsabilidade de adornos em conformidade com essa Graça. Maravilhosa graça que salva, que nos redime do pecado e que nos leva a viver uma vida cristã digna de um discípulo de Cristo.

O preço pago na cruz foi alto demais para nos acomodamos.

Sempre ouço irmãos: Senhor afasta de mim a inveja.. Afasta de mim a língua mentirosa... Afasta de mim os meus acusadores - Mas nunca ouço: Senhor afasta de mim a inércia.

O medo de nos tornarmos religiosos de carteirinha como eram os fariseus, saduceus, escribas, levitas e toda a turminha da sinagoga na época de Jesus, nos direcionou para uma fé apenas de palavras, que não nos desafia à praticar a fé, a exercitar a fé. Nos acomodamos ao fato de não haver mais uma condição para ser salvo. Basta crer, e pela graça, somos salvos! Simples assim! Essa facilidade nos leva a tratar a graça que nos foi liberada com banalidade, nos esquecendo do preço que essa Graça custou. Já ouviu que "tudo que é de graça não damos valor". É bem assim.

2         Praticar sem ouvir é religiosidade

Os fariseus eram a religião em pessoa. Aqui temos um respaldo total para a teologia da salvação pelas obras. Não cremos que seja essa a lição dessa parábola.

Jesus não disse: vós sereis meus amigos se me louvarem de todo coração.

Nem: vós sereis meus amigos se derramarem lágrimas durante os louvores e orações.

Nem: vós sereis meus amigos quando orarem com fervor, quando fizerem jejum, quando freqüentarem semanalmente os cultos, quando cumprirem sua escala na diaconia...

Jesus disse: vós sereis meus amigos se fizerem o que eu vos mando! E meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros

O chamado a sermos cristãos praticantes não anula a Graça. Na verdade a prática é resultado da salvação que recebemos através da Graça.

O medo do legalismo e da religiosidade nos faz entender a graça como uma forma de liberalismo que não nos obriga a prática alguma. É a antiga batalha entre a salvação pela graça e a salvação pelas obras.

Começou já na igreja primitiva onde Paulo combateu fortemente a ideia da necessidade de observância da Lei para se obter a salvação, defendendo que esta seria exclusivamente através da Graça. Depois veio com a união da igreja de Roma com o estado, uma nova onda de legalismo, onde as pessoas eram obrigadas a seguir a religião oficial e ai daqueles que recusassem. Em nome da religião, guerras foram travadas, inocentes torturados das mais diversas formas e queimados em fogueiras santas. Tudo pela prática sem a fé, que o ouvir receptivo e atento da palavra deve gerar.

Uma religião que valorizava o fazer ao invés do ser. Não importava se o coração estava cheio de ódio e rancor, o importante era praticar as boas obras, cumprir as penitências e pagar as indulgências. A tentativa de romper com essa religião que colocava a prática religiosa como critério decisivo para a salvação da alma, em detrimento da salvação pelo perdão e remissão dos pecados liberada no sacrifício de Cristo, fez com que passassemos a rejeitar toda e qualquer ideia relacionada à prática cristã vinculada à salvação.

E o vínculo existe, só que em forma de consequência. Ou seja, a salvação não vem através das obras, mas as obras são um  resultado esperado da salvação genuína.

Ainda que a salvação seja outorgada exclusivamente pela graça, a mudança de vida decorrente dessa salvação, ainda é a consequência natural e comprovadora dessa nova vida em Cristo.

Não se engane, se sua prática de vida não sofre nenhum impacto ao ouvir as verdades bíblicas, você está agindo como um tolo, que constrói sua casa na areia.

“Sabendo que o homem não é  justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo” Gálatas 2:16a

 

3         Ouvir e praticar é ser discípulo

Mateus: 7. 21. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. - Bíblia JFA

Jesus esperava que seus discípulos não fossem apenas seguidores contemplativos. Ele não queria seguidores apenas de palavra, mas de atitude.

Praticar o que? "Estas minhas palavras". Quais são essas palavras? O sermão do monte:

  • Bem-aventuranças
  • Ser sal e luz
  • Não irar-se contra o irmão
  • Não olhar para outra pessoa com desejos impuros
  • Não jurar em nome de Deus
  • Dar a outra face
  • Amar os inimigos
  • Não praticar o bem para mostrar-se aos outros
  • Não orar para mostrar-se aos outros. Orar em secreto no teu quarto
  • Oração modelo
  • Perdão ao próximo
  • Não se mostrar quando estiver em jejum
  • Não se preocupar - praticar a confiança no cuidado de Deus
  • Não julgar os outros
  • Fazer ao outro o que você gostaria que fizessem a você
  • "Entrar pela porta estreita"
  • Dar bons frutos - árvore boa e árvore má

Amor gera atitude. Comece a agir, chega de falar! Só com palavras não se pode mudar.

Praticar o Que?

"Por isso exortai-vos uns aos outros, e edificai-vos uns aos outros, como também o fazeis.
E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam;
E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós.
Rogamo-vos, também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos, e sejais pacientes para com todos.
Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos.
Regozijai-vos sempre.
Orai sem cessar.
Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.
Não extingais o Espírito.
Não desprezeis as profecias.
Examinai tudo. Retende o bem.
Abstende-vos de toda a aparência do mal.
23. E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo."
1 Tessalonicenses 5:11-23

 

Conclusão

 

Qual dos dois robozinhos me pareço mais? Tenho gravado todo o conhecimento da palavra de Deus, mas na hora de praticar prefiro ir conforme minha própria vontade? Ou além de guardar a palavra no coração, tenho colocado em prática a vontade de Deus para minha vida? Tenho aplicado as verdades bíblicas no meu agir diário?